quarta-feira, agosto 25

Superinteressante - Guaraná Jesus


Um guaraná cor-de-rosa do Maranhão conquista a maior premiação mundial de design


O ORIGINAL

O guaraná Jesus e a lata premiada. Em seus 90 anos de existência, a bebida criou um segmento – o guaraná rosado.
Um fenômeno que começou local, tornou-se famoso no Brasil e agora se apresenta ao mundo: o guaraná Jesus, segundo refrigerante mais consumido no Maranhão (atrás apenas da líder global Coca-Cola). A folclórica bebida cor-de-rosa ganhou a medalha de ouro de melhor estratégia de marketing no Prêmio Internacional de Excelência em Design, o Idea, a maior premiação mundial de design. A campanha vencedora ocorreu no fim de 2008 para renovar o visual da lata. A tarefa não era simples, já que a bebida angariou, ao longo de décadas, fãs entusiasmados.

O guaraná Jesus, criado em 1920, enraizou-se no gosto maranhense. Com pouquíssima propaganda, tornou-se quase um símbolo cultural do Estado. Ele deu origem a um subsegmento, o guaraná rosado, comum também no Piauí e Pará. Nos últimos anos, seu nome engraçado e sua cor fascinante ganharam simpatia Brasil afora. Há centenas de comunidades bem-humoradas a seu respeito no Facebook e no Orkut. Vídeos no YouTube brincam com o refrigerante em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Curitiba e outras cidades espalhadas pelo país – o tipo de tratamento espontâneo e alegre que empresas gastam milhões para conseguir. Há muito mais gente que fala sobre a bebida do que gente que já experimentou mesmo seu sabor muito doce, com traços de cravo e canela (a fórmula exata tem uma aura de mistério), mas os apreciadores reais não só existem, como se organizam para “importar” as latinhas do Maranhão. Por isso, renovar a lata sem incomodar os fãs seria um trabalho delicado. “Em marcas que são ícones, como o Jesus é no Maranhão, o desafio é manter a ligação emocional com os consumidores”, diz Leonardo Lanzetta, diretor executivo da agência de publicidade Dia, que montou a estratégia de marketing premiada. Em outras palavras: uma mudança desastrada faria com que o bebedor de Jesus não reconhecesse mais o produto que lembra sua infância, adolescência e tempos felizes.

Os publicitários fizeram uma campanha estadual com três propostas de novos desenhos para a lata e pediram votos dos fãs. Usaram a internet e mensagens por celular. Três pessoas fantasiadas de latinha – uma de cada opção – passearam por São Luís, brincaram com os passantes, visitaram colégios e entraram em casamentos, sempre recebidas com festa. O modelo vencedor lembra outro símbolo do Estado, os azulejos coloniais portugueses de São Luís. A Coca-Cola, que havia comprado a marca em 2001, esperou para fazer mudanças sem quebrar a ligação nostálgica dos bebedores com Jesus. “Foi um grande mérito da campanha. Os consumidores sentiram que a marca pertence a eles, e não à Coca-Cola”, afirma Júlio Moreira, professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing e especialista em marcas. Desde a campanha, as vendas do refrigerante cresceram 17%, segundo a consultoria Nielsen.

O resultado certamente teria agradado ao criador da bebida, o farmacêutico Jesus Norberto Gomes – que era ateu, foi excomungado e morreu em 1963. O guaraná resultou de uma tentativa frustrada de fabricar um remédio. Deu errado, mas os netos do farmacêutico adoraram o xarope. Nascia um produto vitorioso.

Fonte de pesquisa: Revista Época

Xenofobia - Você Sabe Realmente o Que É???

Xenofobia é o medo (fobia, aversão) que o ser humano normalmente tem ao que é diferente (para este indivíduo). Pode também ser definida por distúrbio psiquiátrico ao medo excessivo e descontrolado ao que é desconhecido.

Xenofobia é ainda usado em um sentido amplo (amplamente usado, mas muito debatido) referindo-se a qualquer forma de preconceito, racial, grupal (de grupos minoritários) ou cultural. Apesar de amplamente aceito, este significado gera confusões, associando xenofobia a preconceitos, levando a crer que qualquer preconceito é uma fobia.

Definição

Pessoas naturalmente possuem xenofobia a coisas alienígenas (ao que é bizarro e jamais visto por este), não necessariamente provindo de outro mundo. Esta manifestação de xenofobia pode, por exemplo, explicar medo pelo sobrenatural e extra-terrestre.
Porém xenofobia pode se manifestar como medo a um desconhecido familiar, mas diferente ao comum (por exemplo, a culturas diferentes). Neste caso, o medo é mascarado no indivíduo em forma de aversão ou ódio, gerando preconceitos. Note, porém, que nem todo preconceito é causado por xenofobia, como veremos adiante.

Como qualquer fobia, xenofobia pode vir em diferentes intensidades, podendo se tornar uma doença psicológica.

Xenofobia e preconceitos

Xenofobia é comumente associado a aversão a outras raças e culturas. É também associado à fobia em relação a pessoas ou grupos diferentes, com os quais o indivíduo que apresenta a fobia habitualmente não entra em contato e evita. Existem dois tipos de xenofóbicos, os mais extremados, que pregam que todos que possuem cultura e/ou etnia diferentes devem ser exterminados e os xenofóbicos moderados, que pregam que povos com culturas diferentes, não devem imigrar para as terras de seu povo, visando preservar a cultura de seu povo e para garantir que aquilo que seu povo construiu, seja somente de seu povo.

Por esta razão Xenofobia tende normalmente a ser visto como a causa de preconceitos. Por exemplo, defensores do termo Homofobia acreditam que todo preconceito a Homossexuais provém de medo irracional (fobia).

Porém isto não é totalmente verdade. Xenofobia pode realmente causar aversões que levam a preconceitos etnicos ou ligados a nacionalidade. Contudo nem todo preconceito provém de fobia. Preconceito pode provir de outras causas. Estereótipos pejorativos de grupos minoritários por exemplo, podem levar um indivíduo a ter uma idéia errada de outro grupo podendo ultimamente levá-lo ao ódio. (Não por medo, mas por desinformação. Exemplos: de que asiático é sujo, que muçulmano é violento, que negro é menos inteligente, etc...). Outra causa pode provir de ideais e conceitos preconceituosos, em que a causa não é fobia, mas conflitos de crenças. Esta causa é similar a anterior, porém é gerada por conflito de conceitos, não desinformação. Por exemplo, um grupo machista odiando homossexuais (por contrastar com sua forma de vida), religião pregando contra outras religiões (por conflito de conceitos), ideais políticos como o arianismo nazista etc...

Xenofobia como doença

Neste sentido mais restritivo de xenofobia, aceita-se apenas o medo excessivo e descontrolado ao desconhecido. O medo natural ao desconhecido não é mais parte de xenofobia, sendo xenofobia o excesso deste medo.

Xenofobia, neste sentido, é uma doença psicológica, e insere-se no grupo das perturbações fóbicas, sendo este uma fobia específica. Estas fobias são caracterizadas por ansiedade clinicamente significativa provocada pela exposição a uma situação ou objeto temido (neste caso, pessoas ou situações estranhas ao doente), que frequentemente conduz a um comportamento de evitamento.

As pessoas que apresentam este terror persistente, irracional, excessivo e reconhecido como tal, tendem a evitar o contato com estranhos uma vez que esta situação lhes provoca extrema angustia, ansiedade, aumento da tensão arterial e da frequência cardíaca. Nos casos mais graves podem, inclusive, ter um ataque de pânico. O evitamento, antecipação ansiosa ou mal-estar em relação à situação temida, interfere significativamente com as rotinas normais da pessoa, funcionamento ocupacional, relacionamentos e atividades sociais desenvolvidas.

Tratamento

Para o tratamento da xenofobia são normalmente utilizados os métodos da terapia comportamental. O princípio desta terapia no que concerne às fobias, é o da exposição ao objecto ou situação fóbica. No caso particular da xenofobia, será a exposição do doente a situação estranhas que ativam sua fobia. Assim sendo, o sujeito vai descobrir que tal situação aterrorizadora, não representa qualquer perigo ou ameaça como ele imaginava. Para ser possível este tipo de encontros, o sujeito vai aprender determinadas técnicas para lidar com a ansiedade ou angústia que sente em relação ao encontro com pessoas desconhecidas. De todos os métodos comportamentais, a dessensibilização sistemática parece ser o que melhor resulta no tratamento da xenofobia, uma vez que a exposição à situação ou objecto fóbico é gradual.

Em alguns casos mais graves é habitual a administração de medicamentos que tenham por objectivo principal a diminuição da ansiedade extrema, uma vez que esta impede que se realizem as sessões terapêuticas de uma forma eficaz.

Em outros casos, pode-se desenvolver crenças irracionais (geralmente preconceituosas), pelo que também é recomendado que se busquem estratégias cognitivas que trabalhem tais crenças.

Fonte de pesquisa; Wikipedia

Olha o Efeito Sanfona... Saiba Como Se Livrar Dele de Uma Vez

O jeans skinny do inverno passado não passou na coxa nesta temporada. A culpa é do eterno engorda e emagrece que faz você pular do manequim 38 ao 42, e vice-versa. Na hora de se vestir, não importa se o mundo se conforma com isso — você quer mais é usar o 38 para sempre. E então vem aquela vontade de não sair de casa até emagrecer tudo de novo. Vem o mau humor, a irritação, a ansiedade e nada pior do que isso para emagrecer. Veja quais são os porquês desse fenômeno e as soluções para dominá-lo de vez. Não é mágica, só exige disciplina e dedicação!!!. Mas dá certo.

Durante seis meses, você levou a dieta mais a sério que qualquer namoro novo. Quase não houve escapadelas — cerveja e lasanha da vovó, nem pensar — e a maior infração foi um bombom no auge da TPM. Você ficou magra mais uma vez e voltou a viver — e comer — normalmente. Mesmo sem cometer grandes exageros à mesa, o ponteiro da balança tornou a subir, devagar e sempre. Pronto, o efeito ioiô atacou de novo.

O efeito  ioiô ou sanfona, é resultado de dietas muito restritivas (menos de 1 200 calorias diárias), que não modificam os hábitos à mesa. Regimes ferrenhos geram perda de massa muscular e deixam o metabolismo mais lento. O organismo aprende a economizar energia e o efeito ioiô ataca quando a restrição alimentar termina.

Dieta de campo de concentração também promove um falso emagrecimento, segundo o endocrinologista João César Castro Soares, facilitando o retorno ao peso anterior. “Se você não seguir um cardápio balanceado com proteínas e carboidratos, perde água do organismo, não massa e gordura”, diz. Além disso, na falta de carboidrato, o corpo potencializa ao menos 30% a ação da enzima ácido graxo sintase, responsável pela quebra no nutriente no estômago. A consequência, quando você volta a se alimentar normalmente, é o efeito rebote.

Uma vez gordinha...
O que você sabe na prática foi comprovado pela ciência: a maioria dos indivíduos que emagrecem,cedo ou tarde recuperam  os  quilos. Alguns fatores predispõem ao efeito sanfona, entre eles o DNA. As respostas metabólicas são bastante individualizadas e dependentes da genética. Mas, em geral, sedentárias são mais vulneráreis, pois a prática regular de exercícios auxilia na manutenção da massa muscular, o que aumenta o gasto de energia.Comedoras compulsivas também são vítimas perfeitas. Elas ignoram o básico da reeducação alimentar: a mastigação. Para as mais aceleradas, mastigar, mastigar e mastigar antes de engolir pode parecer monótono, mas o processo é fundamental para a boa digestão. E não adianta fazer biquinho, malhar é fundamental!!!

A mastigação lenta aciona a saciedade e indica ao cérebro o momento de encerrar a refeição. Ou seja, deve-se mastigar a comida contando até 20 e só depois engolir.
Além do DNA e da pressa, um terceiro fator de risco é comer em resposta às emoções — sejam de alegria, stress ou solidão. A saída, nesse caso, está no controle emocional.

Os males do ioiô
A máxima de que é melhor permanecer acima do peso do que viver no engorda e emagrece nem sempre é verdadeira, mas pode ser aplicada quando o excesso de quilos não significa obesidade.
Se saúde estiver em ordem e o sobrepeso for pequeno, é mais indicado manter a mesma medida do que ficar no vai e vem. Além de desregular o metabolismo, o efeito ioiô causa perda de massa muscular, alterações hormonais, depressão, ansiedade e complicações cardíacas. Inclua na lista o perigo de desenvolver pressão e colesterol altos. Para se livrar dos riscos e do excesso de peso de uma só vez, fuja de regimes radicais, que trazem resultados rápidos mas não duradouros. Com a atividade física o  emagrecimento será gradativo, porém será mais fácil manter depois. Pense em perder de 1 a 1,5 kg por semana — não mais — e invista num plano alimentar individualizado.
Rumo ao peso certo
Com tantas dificuldades, talvez você ache mais fácil aceitar seus pneus na barriga. mas os riscos da obesidade ainda são maiores que os do efeito ioiô, apoie-se nas seguintes estratégias para emagrecer e manter o peso:

PACIÊNCIA Afinar a silhueta de modo saudável é perder 10% do seu peso em seis meses, de acordo com o Instituto Americano de Saúde.

ANÁLISE Lembre-se a todo momento das mudanças que tem feito na alimentação para distinguir quando está com fome ou quando come por razões emocionais.

APOIO Socializar com pessoas que têm o mesmo problema ajuda. Grupos de dieta ou até uma psicóloga podem fazer a diferença na manutenção do peso.

VIGILÂNCIA Fique de olho na balança. Caso tenha perdido 15 kg e engordado 1,5 kg, é sinal de que o efeito ioiô está atacando. Retome as rédeas da sua reeducação alimentar e dos exercícios físicos.

FLEXIBILIDADE  Mude o plano alimentar se ficar cansado dele.

REALISMO Tenha certeza de que a dieta escolhida tem a sua cara e que conseguirá segui-la. E esqueça de vez os regimes da moda. Concentre-se!!! Você está seguindo um novo e permanente modo de vida. “Pense: é assim que eu como agora.”

ATIVIDADE Além da dieta com baixa caloria e pouca gordura, você precisa se exercitar. Essa foi a estratégia de 6 mil membros do National Weight Control Registry, que perderam ao menos 30 kg e mantiveram o emagrecimento por no mínimo um ano. Isso não significa que você tenha que treinar para uma maratona. Meia hora de caminhada diária já ajuda a queimar calorias, tornear os músculos e elevar a dose de endorfina para você se sentir mais feliz.

OTIMISMO Uma das mais importantes recomendações para uma perda de peso de sucesso é ter força de vontade e acreditar que você vai alcançar seu objetivo.

Uma dieta eficaz prevê menos 1 a 1,5 kg por semana — nada além. Depois de chegar ao seu peso ideal, o negócio é manter-se nele.

Os Aliados:

Foque na seguinte lista de alimentos que ajudam a manter o peso:

ÁGUA Além de ser uma importante ativadora metabólica, potencializa a ação das fibras e favorece a digestão.
QUANTIDADE RECOMENDADA 2 litros por dia. Se praticar exercício ou ficar exposta a alta temperatura, aumente a ingestão.

BRÓCOLIS E COUVE-FLOR Ajudam na desintoxicação do fígado e eliminam toxinas.
QUANTIDADE RECOMENDADA 1 pires (chá), duas vezes por semana.

CÁLCIO Diminui o processo de lipogênese (formação da gordura). O mineral está presente em leite, queijo, iogurte, peixe, espinafre, agrião, amêndoa, avelã e castanha-do-pará.
QUANTIDADE RECOMENDADA 800 mg por dia, consumíveis em: café da manhã com 1/2 copo de coalhada + 2 col. (sopa) de aveia; almoço com 1 filé de salmão + 1 pires (chá) de agrião + 2 col. (sopa) de beterraba + 2 col. (sopa) de arroz integral.

FIBRAS Auxiliam no controle da saciedade e melhoram o funcionamento intestinal. Estão presentes em cereais integrais, frutas (sobretudo com casca e bagaço), verduras e legumes, principalmente crus.
QUANTIDADE RECOMENDADA 25 g por dia, que equivalem a 4 frutas, 3 fatias de pão ou torrada integral, 1 concha de leguminosas e 2 pratos de folhas.

MEL Regula a função intestinal e sacia a vontade por doce.
QUANTIDADE RECOMENDADA 1 col. (chá) por dia.

PROTEÍNAS DE ORIGEM ANIMAL Promovem saciedade e estão em aves, carnes, ovos, peixes, leites e derivados.
QUANTIDADE RECOMENDADA De 0,8 a 1 g de proteína por quilo de peso corporal ao dia. Uma porção de 30 g de carne ou peixe é semelhante ao tamanho da palma da mão de uma mulher adulta.

PROTEÍNAS DE ORIGEM VEGETAL Possuem teor reduzido de gordura, alta quantidade de fibras e ômegas 3 e 6, contribuindo para a ingestão das gorduras boas de que o organismo precisa. São encontradas em feijão, lentilha, soja, grão-de-bico, castanha, amêndoa e noz.
QUANTIDADE RECOMENDADA O equivalente a 1/2 xíc. (chá) por dia.

Atenção aos três momentos da vida em que o peso ameaça subir:

NA FACULDADE Quase 25% das calouras universitárias veem a balança subir 5% no primeiro semestre de aula. O motivo: coxinha no intervalo das aulas, cerveja na happy hour e seja-o-que-Deus-quiser nas semanas de provas. Quando se começa a conciliar estudo com trabalho, o cenário fica ainda mais dramático, já que é preciso aprender o que comer fora de casa durante o dia todo.
O QUE FAZER Leve o lanchinho de casa, com frutas e sanduíches naturais. Barras de cereais, sucos naturais, salgados assados e sanduíches de queijo branco são as melhores opções que você pode achar nas lanchonetes.

NO NAMORO OU CASAMENTO Namorar, noivar ou casar só aumenta a circunferência da sua cintura. As mulheres baseiam seus hábitos alimentares na quantidade que o companheiro consome.
O QUE FAZER Lembre-se de que eles são homens e têm necessidade maior de consumo calórico. Portanto, comem mais. Além disso, o metabolismo masculino é mais acelerado, o que faz os homens queimarem gordura com facilidade. Programe atividades como malhar junto, passear no parque e ir ao cinema (sem pipoca com manteiga). Vale qualquer coisa que não envolva comida e mantenha vocês juntos e entretidos.

NA CASA DOS 30 ANOS A maioria das mulheres naturalmente começa a perder massa muscular nessa faixa etária, o que puxa o freio do metabolismo. Mesmo comendo a quantidade de sempre, você já não queima caloria como antes, o que a leva a ganhar peso.
O QUE FAZER Não é possível interromper o processo de perda de massa muscular, mas dá para amenizá-lo — e muito. A musculação, que eleva seu percentual de massa magra, é a chave. Comece com duas sessões semanais de 30 minutos para braços, pernas e abdômen. Seu metabolismo agradece.

Fonte de pesquisa: Women's Health e Lulucha

segunda-feira, agosto 23

Elas Estão Desconfiadas...

Muitas mulheres estão tendo dificuldades para encontrar alguém para um relacionamento sério. As queixas variam. Por exemplo: dizem que os homens simplesmente desaparecem após um ou mais encontros, quando tudo parecia ir bem. Outras se decepcionam com os que dizem querer namorar, mas, na verdade, estão apenas em busca de sexo. Falam ainda sobre homens que se declaram solteiros, mas na verdade são casados ou ainda estão “enrolados” com alguma ex. Todas essas coisas fazem parecer que a tarefa de encontrar alguém para uma relação séria parecer impossível.

Mas será que é assim mesmo? E o “o outro lado da moeda”??? Como é que fica??? Há muitos homens que também tem dificuldade em encontrar uma mulher para um namoro. Alguns falam que elas declaram ter a intenção de ter uma relação séria, mas na prática não é isso o que querem. Outros se queixam de que as mulheres estão muito “defendidas”, como se as frustrações com relações anteriores as tivessem deixado dessa maneira. Tenho a impressão de que homens e mulheres não estão conseguindo encontrar um ao outro!!!

Muitas mulheres mostram-se bastante desconfiadas em relação aos homens. Em geral falam de homens com quem começaram a se relacionar há pouco tempo. Ou conversam apenas pela Internet, ou tiveram poucos encontros. Mesmo estando a relação bem no início, os homens mostram-se “encantados” com elas. Falam em amor, fazem planos, dizem que elas são tudo o que eles sempre sonharam, dizem querê-las a seus lados sempre. Toda essa demonstração de afeto parece encaixar exatamente com o que elas desejam, mas... Elas desconfiam!!! E se perguntam: será que eles podem estar mentindo??? Será que estão indo rápido demais??? Mostram-se assustadas com todo o envolvimento deles.

Diante de todas essas desconfianças, cabe uma pergunta: será que o insucesso para se iniciar um namoro é sempre causado por eles??? A maioria das mulheres acham que a “culpa” é sempre dos homens. São eles que não querem nada sério, são eles que desaparecem... Mas quando aparece alguém que parece se encaixar no que elas consideram ser o “namorado ideal”, elas desconfiam. Nesses casos, será que não são elas, com toda a desconfiança, que os afastam???

Quero ressaltar que não se trata aqui de culpar homens ou mulheres. O importante é que cada um possa olhar para si mesmo e ver como pode estar colaborando para manter uma situação. As mulheres deveriam  refletir um pouco sobre o que podem estar fazendo que esteja as impedindo de ter o relacionamento que tanto sonham.

Se eles somem ou querem apenas sexo, são taxados de “canalhas”. Se fazem declarações de amor, são olhados com desconfiança. Qual poderá ser a origem dessa atitude tão defensiva das mulheres??? Em primeiro lugar, parece estar relacionada a um sentimento de menos-valia em relação a elas mesmas. É como se dissessem “eu não sou isso tudo o que ele está vendo, então ele deve estar mentindo”. Essas mulheres não parecem se sentir tão importantes a ponto de serem tratadas tão bem e receberem tantos elogios. É como se não merecessem tanto. A desconfiança, portanto, não é relativa ao que eles dizem, mas a como elas se sentem. Por não se sentirem “isso tudo”, acabam desperdiçando relações por não acreditarem no que muitos homens dizem.

Outra fonte de desconfiança parece estar na frustração com os relacionamentos anteriores. Muitas já foram traídas, maltratadas, ou sofreram muito com separações indesejadas. Pelas decepções vividas, passam a pensar que todos os relacionamentos terão o mesmo fim. Por isso, quando um homem se mostra carinhoso ou atencioso demais, desconfiam e chegam a ter quase a certeza de que serão enganadas ou maltratadas. Novamente acabam os afastando e desperdiçando relações. É comum também fazerem muitas cobranças ao parceiro, por já terem se decepcionado bastante no passado. É claro que nem todos suportam ser tão cobrados no início de uma relação, e isso também acaba os afastando.

Mas o que fazer para mudar isso?

Em primeiro lugar, é preciso perceber as próprias atitudes que podem estar colaborando para o afastamento deles. É importante poder olhar para si, perceber o que dizem, como agem... Em vez de taxá-los de “canalhas” e dizerem que não querem nada, é preciso ter abertura para olhar para si própria e pensar como podem estar colaborando para que o namoro não aconteça.

Podendo fazer isso, é importante pensar na auto-estima. Por que será que é tão difícil acreditar nos elogios e em tudo o que eles dizem que estão sentindo??? Por que não se sentir merecedora de tudo isso??? É preciso acreditar em si própria, confiar no seu taco, se sentir bonita, interessante, atraente, capaz de conquistar o homem que desejar. Quando eles fizerem juras de amor, acredite que é isso o que eles estão sentindo!!! Mesmo que esteja cedo demais, e que vocês ainda estejam se conhecendo, não classifique o que eles dizem como uma mentira. Pode ser que estejam empolgados e encantados com você, e por isso estão se declarando dessa maneira. Pode ser que estejam sentindo paixão e a confundam com o amor. Qualquer início de relacionamento envolve a idealização do outro. Estar apaixonado é pensar que a outra pessoa é perfeita, é “a outra metade”. Por que cortar esse sentimento tão precocemente??? Quem sabe ele não poderia amadurecer e se tornar um grande amor???

Podendo olhar para si mesma e se sentindo importante, valorizada, é preciso pensar nas frustrações do passado. É claro que todas as decepções que tivemos são inesquecíveis, especialmente aquelas que nos causaram mais sofrimento. É evidente que elas passam a fazer parte de nós, e é natural que deixemos de ser ingênuas e nos tornemos mais “precavidas” nos relacionamentos. Mas é preciso diferenciar o que é precaução do que é desconfiança em excesso. Se nos últimos dois relacionamentos houve traição, por que no próximo terá de haver também??? Se os últimos namorados não a trataram bem, por que o próximo não poderá tratá-la??? As decepções que você viveu não são culpa dele. Os erros dos outros não podem ser consertados por ele. Lembre-se de que cada relação é diferente da outra. Quando começar um namoro, lembre-se de que é um relacionamento que você nunca teve antes, com alguém que você ainda não conhece. Por isso, ele não precisará terminar como os anteriores.

Ter um relacionamento não é algo simples, mas está longe de ser impossível. Poder olhar para si, refletir sobre os próprios pensamentos e atitudes e perceber o quanto acabamos, sem querer, colaborando para nosso próprio insucesso é um bom começo!!! Por isso, perceber as próprias inseguranças e ter a coragem de arriscar são essenciais para que um relacionamento dê certo. Boa sorte!!!

Fonte de pesquisa: Bolsa de Mulher e Lulucha