quinta-feira, março 4

O Maior Massacre Suicida Ocorrido Até Hoje

Há 32 anos, no dia 18 de novembro de 1978, ocorria o maior e mais horrendo massacre suicida da história americana até hoje cometido, o massacre ocorreu em Jonestown nas Guianas. 'James Warren "Jim" Jones (Crete, Indiana, 13 de maio de 1931 – Jonestown, 18 de novembro de 1978) foi o fundador estado-unidense do grupo Templo do Povo, que tornou-se sinônimo de grupo suicida após o suicídio em massa ocorrido em 18 de novembro de 1978 por envenenamento em sua isolada colônia comunitária agrícola chamada Jonestown, localizada na Guiana. Jones foi encontrado morto com um ferimento de bala na cabeça junto a outros 909 corpos, sendo que mais de 270 corpos eram de crianças.

Jim Jones Jr., filho de Jones, foi uma das 2 pessoas que conseguiram sobreviver, Jr. foi a 1ª criança negra a ser adotada por um casal de brancos.

O Templo do Povo

James Warren Jones nascido em Ubduaba (Neui-Oeste), filho de um membro Ku Klux Klan. Na idade adulta ficou conhecido por suas idéias direitistas, mas declarava-se "socialista" liberal e afirmava ser a reencarnação de Jesus Cristo e Lênin.

Em 1965, criou o Templo do Povo na localidade californiana de Ukiah. Pouco depois, a imprensa denunciou as mortes de sete pessoas que quiseram abandonar sua "igreja" e acusações de seqüestro, espancamentos e abusos sexuais. Jones mantinha relações sexuais com todas as mulheres da seita e inclusive com as crianças. Era casado e sua esposa tinha o dever de aceitar.

Fugindo do caso ele se mudou para São Francisco, onde fez amizade com a militante esquerdista Angela Davis e personalidades do mundo político. Posteriormente, Jim Jones decidiu fundar sua utopia multirracial agrícola em Jonestown, na Guiana. Com a aprovação do então presidente da Guiana, Forbes Burham, líder histórico do único país de fala inglesa da América do Sul, o reverendo Jones criou sua própria sociedade auto-suficiente na selva da guianense.

A história do massacre

A história do Templo do Povo acabou tragicamente no dia 18 de novembro de 1978, quando 909 pessoas, entre elas mais de 270 crianças, segundo estimativas oficiais, foram obrigadas a beber cianureto misturado com suco de uva, ou foram executadas em um dos mais terríveis casos de suicídio-assassinato coletivo da história recente. O chamado "Dia do Julgamento Final" começou quando colaboradores de Jones mataram a tiros o congressista americano Leo Ryan, três jornalistas e um desertor.
Ryan e seus acompanhantes tinham chegado a Jonestown para comprovar denúncias de que vários membros da colônia, em sua maioria negros americanos, eram proibidos de deixá-la. A senadora Jackie Speier, estava na Guiana quando ocorreu o massacre. Ela, que era assessora judicial de Ryan e só se salvou por milagre, conta que eles foram recebidos a tiros e que Ryan e seus acompanhantes morreram ainda no aeroporto. Speier se jogou na pista e assim permaneceu por 22 horas, sangrando e coberta de formigas, convencida de que havia morrido. Ele é uma das únicas sobreviventes do massacre que se seguiu.
Jim estava completamante insane, devido as drogas que consumia sem parar.

Apesar desta perseguição, muito se falou da influência deste "pequeno ditador religioso" junto do poder nos EUA e da cobertura que lhe era fornecida.

Jonestown era uma comunidade, que representava aparentemente um modelo socialista, estabelecida no meio da selva na Guiana (América do Sul). Viviam isolados do mundo sem poder estabelecer o mínimo contacto com o mundo exterior, sob pena de sofrer pesadas represálias.


Já em Jonestown, os crentes eram obrigados a admirar os seus discursos, dia e noite, e quaisquer resistências acabavam num espancamento, dito justiceiro. A fidelidade em relação ao Mestre não se discutia e eram frequentes as denúncias entre familiares como prova de lealdade. Era absolutamente proibido opinar acerca das regras estabelecidas e sequer sugerir o abandono. Jim Jones punia severamente aqueles que o tentavam abandonar.


Uma vez, num simulado de suicídio colectivo, Jim Jones quis testar a lealdade incondicional dos seus seguidores. Para isso, pediu a todos os membros da seita para beberem veneno. Todos beberam e só posteriormente se confirmou que a bebida era inofensiva. Jones estava completamente demente, devido a tantas drogas que ingeria diariamente, e sem parar.


Entretanto, de Jonestown chegavam à América notícias dos desvarios do iluminado que incluíam orgias sexuais com crianças e com quase todas as mulheres da seita, apesar de ele ser casado sua esposa tinha que permitir. O congressista pela Califórnia Leo Ryan, respondendo às solicitações dos eleitores, disponibilizou-se para ir à Guiana. No dia da visita a Jonestown, após verificar o desejo de alguns dissidentes em regressar aos EUA, percebeu que realmente algo de muito grave se passava ali e fez com que Jim os libertasse. Este acedeu, mas quando Leo Ryan e os agora "ex-seguidores" se deslocavam para o avião, foram abatidos a tiro numa emboscada juntamente com dois jornalistas.

Jim Jones percebeu que o fim da seita estava próximo, pois o governo dos EUA iria agir em conformidade perante a gravidade da situação. O pastor reuniu o rebanho para o último sermão. Falou dos inimigos preferindo a suposta honra da morte à rendição, exigindo que todos ingerissem um refresco de cianeto.Jones usou de uma estratégia completamente louca para que todos, sem excessão, tomassem o veneno. Êle ordenou que as crianças e bebês tomassem o veneno em 1º lugar, depois os adultos vendo as crianças e seus filhos morrerem iriam querer tomar e morrer também.


 E assim morreram cerca de 909 pessoas. Três seguidores, que já havia algum tempo tentavam a fuga, conseguiram nesse mesmo dia fugir para a selva. Mais tarde, os sobreviventes contaram que as mães metiam o veneno na boca das crianças enquanto as famílias esperavam serenamente pelo desenlace. Morreram bebês, crianças, mães, pais, avós... Jim Jones suicidou-se com um tiro para um final de um deus menor.

Os discursos deste fanático estão todos gravados, inclusive o último e mais marcante.


Hoje existe uma seita muito parecida com esta a Cintologia, comandada por grandes astros de Hollywood os principais são: John Travolta e Tom Cruise.Quase todos os artistas de Hollywood são adeptos da cintologia. É uma seita muito sigilosa e há vários casos de suícidio e assassinatos cometidos por eles. Isto tudo sem falar nos dólares que as pessoas são obrigadas a pagar mensalmente.


Fonte de pesquisa: Terra.com/ Lulucha

Nenhum comentário: