quinta-feira, setembro 15

Realitys Shows - "Barraqueiros ou Personalidades Fortes"???

Barraqueiro ou personalidade forte

Barraqueiro ou personalidade forte e que não se cala???

Quem já não escutou um amigo se vangloriando ao dizer que “não leva desaforo para casa”??? Esse é o perfil típico de pessoas que costumam ser instáveis no relacionamento, embora acreditem que ajam exatamente de forma reversa. Note que, pela análise do perfil de pessoas que adoram um escândalo é possível mapear uma espécie de estilo padrão de comportamento. Os realitys shows nos dão uma visão clara sobre esse assunto.

Um dos primeiros sinais é o fato da pessoa não demonstrar qualquer tipo de compreensão e paciência quando está na posição de cliente. A verdade é que, para uma pessoa que é “barraqueira”, bastam apenas algumas palavras para que sua educação ceda lugar a um tom de voz mais alto e, principalmente, que se abandone a gentileza no trato com as pessoas. Acontece que quando esse mesmo profissional comete um erro, o entendimento é outro.

Ele não costuma aceitar como correto o mau tratamento e a arrogância da outra parte. O que se espera, diz ele, é apenas um pouco de compreensão afinal todos erram. Nestes casos, a revolta e a discussão também acontecem, mas desta vez o motivo é diferente. É a falta de educação da outra parte que dá a ele motivos para brigar. De forma prática, o “barraqueiro” acha que está sempre com a razão e por isso mesmo se autodenomina como sendo alguém de personalidade forte e que não se cala diante de uma injustiça.

Já quando não está com a razão, é uma pessoa que costuma chamar a outra parte (que age do mesmo modo) como alguém que adora uma discussão ou, como na expressão popular, que adora “armar um barraco”. Ainda bem que você tem apenas personalidade forte e está longe de ser um profissional “barraqueiro”, não é verdade???

É um problema sério quando se tem que trabalhar ao lado de um colega que adora participar de um escândalo ou de promover uma discussão na empresa. Primeiro, porque parece que ele não se interessa em conciliar aquelas situações delicadas e que podem provocar conflitos no trabalho. Ao contrário. Ele não perde uma chance sequer de começar uma discussão desde que, é claro, seja com pessoas em posição hierárquica inferior ou, no máximo, igual à sua. É que o raciocínio deste estilo de profissional é muito simples: mexer com o chefe é um risco muito alto. Já com os colegas e funcionários é possível demonstrar que se tem sempre razão, nem que isso implique em desavenças pessoais.

O segundo motivo que torna difícil trabalhar com um colega que adora confusão é que você acaba sempre envolvido no problema.

A pessoa “barraqueira” gosta de arranjar inimizades???

Profissionais que criam um verdadeiro barraco no ambiente de trabalho costumam apresentar uma característica interessante em relação às suas amizades. Normalmente, são pessoas que têm grande facilidade para conquistar a simpatia e o acolhimento dos colegas. Isso porque, quando querem, costumam ser dóceis, gentis e, principalmente, muito flexíveis. É um curto período onde o “barraqueiro” acaba concordando com praticamente tudo que o colega fala ou gosta de fazer.

Porém, isso costuma durar apenas pouco tempo. É que uma vez conquistada a amizade e consideração das pessoas ao seu redor, a natureza acaba falando mais alto e o lado intransigente e turrão do “barraqueiro” se revela. Conviver com colegas que não valorizam os relacionamentos sinceros é uma tarefa difícil e que exige da pessoa muito profissionalismo. É preciso entender que, se sua amizade não tem valor para esse tipo de pessoa, a única coisa que passa a interessar para ela é a possibilidade de utilizar a amizade no trabalho como uma espécie de degrau para crescer na empresa.

Os realitys shows nasceram para nos mostrar o que é ser uma pessoa barraqueira.

Ao identificar essa linha de pensamento, fica fácil descobrir qual é a estratégia que ele pretende utilizar. Primeiro esse colega vai concentrar suas forças para ficar seu amigo. Depois ele vai mostrar suas garras e restarão apenas dois caminhos: ou você parte para o confronto e acaba tendo desgaste e irritação com um relacionamento cada vez mais agressivo, ou acaba sucumbindo e deixando que o colega “barraqueiro” imponha o seu ritmo de comportamento na equipe.

Como a tendência natural é que ocorra o desgaste, porque você não tem uma natureza passiva, o terceiro passo fica fácil de ser dado. Basta agora ao “barraqueiro” estimular o desânimo e a irritação nos colegas para que o desempenho da equipe diminua. Pronto! A equipe caiu na armadilha e agora o “barraqueiro” tem caminho livre para fazer o que bem entender.

Algumas pessoas subestimam a capacidade de articulação e raciocínio dos colegas e, por conta disso, acabam agindo até mesmo com ingenuidade na hora de resolver problemas de relacionamento. É o que costuma acontecer quando alguém na empresa tenta desmascarar o colega tido como briguento ou mais comumente chamado de “barraqueiro”. Logo, em primeiro lugar é preciso lembrar que esse tipo de pessoa também tem qualidades e não apenas defeitos.

Uma de suas qualidades é a capacidade de saber identificar a hora certa de provocar o confronto e a hora de recuar, assumindo uma postura pacífica e não questionadora.
Por isso, lembre-se: o colega “barraqueiro” pode ser intransigente, mas burro ele não é.


Note que o colega “barraqueiro” tem uma grande habilidade para distorcer o que você fala. Logo, quanto mais opina sobre algo, mais você dá combustível para a pessoa lhe causar problemas. Em terceiro lugar, a mais difícil das ações: nunca discuta com ele. Em vez disso, utilize a estratégia do silêncio. E essa não é uma tarefa fácil porque se falar menos já é um problema, deixar de se posicionar diante de uma provocação é pior ainda. Acontece que a sua irritação é o combustível que o “barraqueiro” precisa.

Logo, se para acabar com o fogo basta eliminar o oxigênio, da mesma forma, para enfraquecer esse tipo de colega a saída é retirar-lhe a matéria-prima utilizada para gerar tanta confusão. Por fim, a mais simples das atitudes: desista de querer desmascarar esse tipo de pessoa para a alta gestão. É que profissionais deste tipo têm a capacidade de não apenas prejudicar os colegas, mas também, de prejudicar a si mesmas na medida em que tempo for passando. Lembre-se: para não ser arrastado pela correnteza, basta apenas ficar longe dela.

Fonte de pesquisa; Google e Lulucha

Nenhum comentário: