domingo, maio 31

Onda Brava

  • É como a vinda de uma onda brava...
  • Assim, belo e esperado...
  • E com a alegria de quem foi surpreendido pela água...
  • Que sabia que vinha...
  • Mas não via.

  • Os corpos se movendo...
  • Para a clara constatação...
  • Da dor que se queria...
  • Onda violenta...
  • Como de outra onda...
  • Toda renascida naturalmente...

  • Nossos corpos se moviam...
  • Suavemente...
  • Contrastando com a dor existente...
  • E com a violência das ondas...
  • A constatação daquilo que se queria.

  • Corpos ardentes de desejo...
  • A respiração era ofegante...
  • E movíamos em suaves ondulações...
  • Nos movíamos sempre para dentro..
  • Cada vez mais fundo, e mais, e mais...

  • Ah! A alegria do amor é uma agonia...

  • Cada vez mais nos queríamos...
  • E cada vez mais intenso ficava...
  • De repente, outra onda violenta...
  • Houve gemidos de prazer...
  • A onda veio tão forte...

  • Nos arremessou até a praia..
  • Onde lá ficamos extasiados de amor...
  • Aquilo que nos move...
  • E que não víamos.

  • Obs.: Essa poesia não é, totalmente, de minha autoria, alguns trechos são de Mary de Oliveira e outros são meus.

Um comentário:

Francisco Castro disse...

Olá!

Que linda poesia! Esses versos são carregados de lirísmo e musicalidade que rejuvenesse a alma e engrandesse a nossa mente.

Abraços

Francisco Castro