sábado, maio 23

A Realidade é Dura

Que a realidade é dura, todo mundo sabe. Mas será que precisa se mostrar também tensa e pesada? A resposta dos especialistas é unânime: não. Lidar bem com as dificuldades que encontramos ao longo da vida é um privilégio que ajuda em todas as nossas relações: sociais, afetivas, de trabalho, familiares. Essa postura positiva certamente não faz os problemas desa-parecerem; não, continuam lá, mas não são maiores do que quem os tem. “Tudo fica mais difícil quando nos sentimos menores do que o dilema que precisamos resolver. A causa desse sentimento de inferioridade e incompetência pode ser falta de auto-estima, que acaba trazendo a sensação de incapacidade de solucionar as questões que surgem. Há quem seja excessivamente rígido consigo mesmo, não admitindo qualquer falha. Esse alguém tende a tornar as coisas mais complicadas também”, explica Margareth dos Reis, psicóloga do Instituto H-Ellis, de São Paulo. Mas esse padrão de comportamento pode variar. A mesma pessoa é capaz de pegar leve em algumas circunstâncias e pesado em outras. “Depende do contexto e dos recursos de cada um para enfrentar determinadas situações”, lembra Fátima Cardoso, analista corporal do Espaço Corpo em Movimento (SP). A forma de se comportar de cada um depende de fatores de diferentes naturezas, como as características genéticas, o tipo de personalidade, os aspectos culturais em que está inserido, a história de vida, os modelos com que conviveu na infância e as experiências que reforçaram ou não certos padrões de reação. “É muito comum vermos vários membros da mesma família pensando e agindo de forma semelhante”, diz Maria Angélica Sadir, psicóloga do Centro Psicológico de Controle do Estresse, de Campinas (SP), confirmando a influência da genética e da educação na personalidade de cada um. “Porém seja qual for a atitude que se tome perante a vida, há sempre a chance de melhorá-la, e isso depende de cada um”, ressalta Fátima Cardoso.

Mesmo para casos mais sérios há solução. “É uma questão de saber enxergar e interpretar cada acontecimento. Quem só vê obstáculos fica impotente e não consegue resolver nada”, afirma Margareth dos Reis. A psicóloga destaca que um problema pode ser encarado como uma dificuldade ou um desafio. Ser despedida do emprego, por exemplo, num primeiro momento deve parecer horrível, mas também tem o significado, às vezes, de novas oportunidades de trabalho, mais prazerosas, quem sabe. Muitas pessoas que passam por certas dores irreparáveis, como a perda de um filho, encontram dentro de si a força até então desconhecida, possível de ser direcionada para lutas importantes, as quais dão sentido maior à própria existência. “Nessas horas, é importante descobrir saídas que auxiliam no fortalecimento”, aconselha Margareth.

Os fatos têm um ciclo

Ao enfrentar fases difíceis, como doenças graves ou falência, é essencial lidar com o fato tal como é. Existe o tempo de dedicação, de luto, mas que não pode ficar permanente, afinal tudo na vida passa.“É preciso ser objetivo e enxergar claramente o que se tem de enfrentar. É importante não se ocupar da questão 24 horas por dia e agir para recuperar a serenidade e tomar decisões”, aconselha FátimaCardoso, destacando que na resiliência entende-se que o bom humor, o acolhimento do acontecido, o nutrir-se de afetos, relações amorosas e memórias boas facilitam a passagem por momentos difíceis.

Equilibre os interesses.

Só se consegue abrandar os aspectos ruins da vida quando são levadas em consideração outras questões mais ou igualmente importantes. Por isso, Maria Angélica Sadir aconselha a cada um que faça auto-avaliação para se descobrir os reais objetivos efontes de prazer. “Só assim pode-se chegar ao pleno equilíbrio entre compromissos e responsabilidades com bem-estar físico, afetivo e emocional”, ensina a profissional. Com essa postura é mais fácil ficar menos vulnerável diante da vida e manter o estresse bem longe. Quem tem o trabalho como prioridade absoluta é claro que vai se sentir perdido e derrotado caso seja demitido. Da mesma forma que uma pessoa que vive exclusivamente dedicada para a família dificilmente saberá lidar bem com a separação, por exemplo.

Mantenha-se longe daquilo que não é bom

A pessoa que se valoriza administra bem o tempo, gosta do trabalho, trata do corpo, se diverte com a família, arranja espaço na agenda para sair com os amigos, é mais realizada e tende a não dar dimensão exagerada às coisas negativas. Para isso, é importante se conhecer e extrair do mundo o melhor para cada um. Há muitas escolhas interessantes para tornar a vida mais leve. Margareth dá a dica: “Quem odeia fazer musculação, mas acredita que é a única maneira de manter a boa forma, não ficará bem. Mas, se fizer dança, que é o que gosta, se sentirá ótima e ficará em forma”. O desafio está em separar o que realmente interessa e realizar aquilo que nos deixa felizes.

Aprenda a esquecer

Quem confia que “desgraça pouca é bobagem”, e assim supervaloriza a má notícia, acaba deixando passar outros fatos mais agradáveis que vierem a acontecer. “A vida fica realmente pesada quando toda a atenção do ser humano gira em torno do que deu errado”, diz Fátima, admitindo que esquecer o fato não dá, mas também não é preciso tratá-lo como prioridade. “Manter certo distanciamento permite que os sentimentos, as emoções e até o raciocínio fiquem mais claros e produzam melhores resultados quando o problema for analisado de novo”, ensina a analista corporal.

Preserve o bom humor E isso não quer dizer rir o tempo todo. A psicóloga Margareth ressalta que as coisas podem parecer ainda mais problemáticas ao assumir uma postura rígida diante das contrariedades, por não se permitir levar o fato na brincadeira. Nos relacionamentos a dois comumente uma bobagem pode se transformar em briga.“Aí o casal deixa de lado a diversão, contagia os amigos com aquele clima pesado, os dois ficam superinsatisfeitos e frustrados”, resume a especialista. Ou seja, muitos desentendimentos podem ser evitados quando se relevam determinados aspectos ou se faz um comentário bem-humorado e se encerra o assunto ali mesmo, sem dar a importância que não existe.

Fonte de Pesquisa: Itodas

Nenhum comentário: