sábado, fevereiro 14

Déjà Vu

Este artigo nos leva a crer que existem vidas passadas, pois algum de vocês já deve ter passado por esta situação alguma vez na vida. Já lhe aconteceu de você ir a algum lugar, ou conhecer uma pessoa, que você nunca viu na vida e dizer: Engraçado, eu já estive aqui ou eu conheço essa pessoa sem nunca ter estado ou conhecido? Pois é, isto chama-se Déjà Vu (Já Visto) e como é que se explica isso? Outro dia estava lendo o site ITodas.com.br e me deparei com esta reportagem, e então decidí colocar no meu blog para todos os meus amigos e seguidores lerem também. DÉJÀ VU Você já entrou em uma loja pela primeira vez e teve uma sensação estranhamente familiar? Ou estava conversando com um amigo e de repente teve a sensação de já ter tido a mesma conversa antes, embora saiba que isso não ocorreu na verdade? Se você já se encontrou em alguma dessas situações, o que experimentou foi o déjà vu. De 60 a 70% das pessoas admitem ter tido essa sensação pelo menos uma vez na vida. A visão, som, sabor ou mesmo odor de alguma coisa nos faz pensar que a experimentamos antes, embora saibamos que isso não ocorreu. Há cerca de 40 teorias sobre o que é déjà vu e suas causas. Elas variam de reencarnação até pequenas falhas nos nossos processos de memória. Vamos explorar algumas dessas teorias para tentar esclarecer esse fenômeno pouco compreendido. O que é déjà vu... e o que não é Déjà vu crônico Recentemente, pessoas com aquilo que os pesquisadores chamam de "déjà vu crônico" estão sendo estudadas. Quatro homens do Reino Unido têm tido déjà vu constantemente. Eles se recusam a olhar para os noticiários porque têm a sensação de que já sabem o que será dito (embora não saibam realmente). Ou eles não querem ir ao médico porque têm a sensação de que já foram e não vêem razão para ir novamente. Os pesquisadores sugerem que esses indivíduos estão tendo uma falha no lobo temporal. É como se os circuitos que são ativados quando você lembra de alguma coisa tenham ficado emperrados na posição "ligado". Isso cria memórias que não existiram realmente ref (em inglês). Déjà vu é um termo francês que literalmente significa "já visto" e tem diversas variações, incluindo déjà vecu, já experimentado; déjà senti, já pensado; e déjà visite, já visitado. O cientista francês Emile Boirac, um dos primeiros a estudar esse estranho fenômeno, deu esses nomes ao assunto em 1876. Há muitas referências ao déjà vu que não são o déjà vu verdadeiro. Os pesquisadores têm suas próprias definições, mas geralmente o déjà vu é descrito como a sensação de se ter visto ou experimentado alguma coisa, que se sabe que não aconteceu. A utilização errada mais comum do termo parece ser com as experiências precognitivas, aquelas experiências onde alguém tem a sensação de que sabe exatamente o vai acontecer em seguida e a situação acontece. Uma distinção importante é que o déjà vu é experimentado durante um evento, não antes dele. As experiências precognitivas (se é que são reais) mostram situações que vão acontecer no futuro, não situações que você já passou. Contudo, uma teoria sobre o déjà vu lida com sonhos precognitivos que nos dão uma "sensação de déjà vu" depois. Alucinações causadas por enfermidades ou drogas trazem um aumento de sensibilidade e são confundidas com déjà vu. Falsas memórias produzidas pela esquizofrenia podem também ser confundidas com déjà vu. Diferentemente dos verdadeiros déjà vu, que duram normalmente de 10 a 30 segundos, essas memórias falsas podem durar muito mais tempo. Definir os tipos de déjà vu é algo muito incerto. Os estudiosos do assunto fazem suas próprias classificações e diferenciações, cada uma ligada a uma teoria específica sobre o que causa o déjà vu. Alan Brown, professor de psicologia da South Methodist University (SMU) e autor de "The Déjà vu Experience: Essays in Cognitive Psychology" têm três categorias para o déjà vu. Ele acredita que o déjà vu seja causado por disfunções biológicas (epilepsia, por exemplo), familiaridade implícita e percepção dividida. Em 1983, Dr. Vernon Neppe, diretor do Pacific Neuropsychiatric Institute, em Seattle, propôs quatro subcategorias de déjà vu, incluindo epilético, paranormal subjetivo, esquizofrênico e associativo. Olhando amplamente para as pesquisas e fontes disponíveis, podemos colocar as experiências de déjà vu em duas categorias, para então ver as distinções mais sutis que os pesquisadores colocaram nelas. § Déjà vu associativoO tipo mais comum de déjà vu experimentado por pessoas normais e saudáveis é de natureza associativa. Você vê, ouve, cheira ou experimenta algo que desperta uma sensação que você associa com algo já vivenciado antes. Muitos pesquisadores acham que esse tipo de déjà vu é uma experiência baseada na memória e assumem que os centros de memória do cérebro são os responsáveis por ele. § Déjà vu biológico Há também uma alta ocorrência de déjà vu entre pessoas com epilepsia do lobo temporal. Um pouco antes de ter um ataque, elas experimentam uma forte sensação de déjà vu. Isso tem dado aos pesquisadores mais confiabilidade para estudar o déjà vu e eles têm sido capazes de identificar as áreas do cérebro onde esses tipos de sinais de déjà vu se originam. Contudo, alguns pesquisadores dizem que esse tipo de déjà vu é distintamente diferente do déjà vu comum. A pessoa que o experimenta pode acr que já passou exatamente por aquela situação, ao invés de ter apenas uma breve sensação do fato. O déjà vu ocorre com alguma previsibilidade em distúrbios psiquiátricos importantes como a ansiedade, depressão, distúrbios dissociativos e esquizofrenia.

3 comentários:

André disse...

eu tive a sensaçao que ja li teu texto e que ja fiz este comentario. parece que tudo isso ja aconteceu!!!por que sera? sucesso e paz. abraços

Victor S. Gomez disse...

Já tive essa sensação diversas vezes. é muito confuso quando isso acontece. Abraços

Drauzio Milagres disse...

Tenho frequentemente Déjà Vu, em relação lugares, pessoas e situações. Embora eu não tenha religião, não tenho a menor dúvida de que após a morte do corpo físico, a nossa consciência continua "viva" e atuante, as vezes num outro plano de existência. Um abraço. Drauzio Milagres.