domingo, março 29

O Mar E Seus Mistérios

Essa poesia faz muito tempo que postei, mas para mim para os dihittianos antigos, acho que foi a melhor coisa que já escreví, gostaria de relembrá-la com vocês e com aqueles que ainda não estavam no Dihitt.

O mar e seus mistérios...

Um aquário gigantesco

Imensurável, Inatingível.

  • Essa imensidão...

Cheia de cores...

E de espécimes raros...

Mar que nos fascina...

Que nos atrai,

O que há dentro desta vastidão de águas tão profundas?

  • Um mundo inabitável.

Um mundo inabalável,

Um mundo questionável,

Para nós humanos.

  • Seus mistérios são tantos...

E tanto é o seu encanto...

Que me espanto.

Tudo é profundo demais...

Há riquezas por demais desconhecidas...

  • Mar, Amor...

Silencioso, lindo e calmo.

Às vezes ruidoso, agitado e revolto,

Impenetrável...

  • Tantos navios naufragados...

Tragados para as profundezas.

Tu me assombras com tantos segredos.

Tens enormes tesouros...

Repletos de riquezas.

Com sua vasta dimensão,

Há estórias que jamais serão contadas...

  • Mar dos sete mares...

Infinitos oceanos...

Pacífico,

Indico,

Atlantico,

Mediterrâneo...

Não importa...

Tudo é mar.

  • Adoro o mar!

Ficaria horas a olhar...

Suas cores misturadas....

Verde, Azul Claro, Cinza, Azul Profundo, Petróleo...

Parecer até uma pintura!

  • Suas ondas...

Quebrando na praia...

Deixando uma espuma branca...

Que mais parece neve.

Tu és paciente, inocente e perigoso demais...

  • Mas... Tú és uma delícia.

Com tua malícia...

Que hipnotiza a alma da gente.

Contagia,

Quanta fantasia...

Que ironia!!!

  • Sabor de sal...

Sabor de mar...

Tanto faz... é tudo mar...

  • Por que não conta-me os teus segredos?

E aí então...

Saberei quem és.

Queres que eu entre?

Assim tão de repente?

Não. Não vou entrar.

Tu não irás contar-me então?

Diga-me...

Qual a razão de seres tão traiçoeiro?

Lulucha

4 comentários:

Núccia Gaigher disse...

Oi lindesa! Agora to seguindo seu cantinho para não perder suas postagens!!!
Abraços pra ti.

Rodrigo Piva disse...

Linda poesia, parabéns!!

Beijos

Rony New 1965 disse...

O mar é como a amante, quando em fúria cega, mata o amado desavisado e o sepulta em suas águas em tormento e volta se acalmar, tornando se doce e fagueira joga novamente o seu encanto para de novo seu amado afogar.
Lulucha adorei o poema, sinto saudades são dois carnavais que não sei o que é o mar, bjs.

Alexandre disse...

Tem certeza minha amiga, valeu a pena vc relembrar, eu ainda não estava por aqui, mais ainda bem que li.