quarta-feira, abril 28

Já Comprou o Presente da Sua Sogrinha?

Dia da Sogra



Lidar com ela será sempre um mistério. E compreendê-la, um aprendizado

Esqueça manuais de etiqueta e aulas de relaxamento. Ainda que você respire pelo diafragma o dia todo, lidar com a sogra será sempre um mistério. E compreendê-la, um aprendizado. Para as que mantêm um mútuo respeito e pacífica convivência – sim, isso existe! - os nossos parabéns. Às demais, nossa solidariedade no Dia da Sogra.

“Ter o apoio do parceiro é uma sorte que nem todas têm. Algumas vezes, mãe e filho formam uma dupla de algozes”

Renata* achava que suportaria o apego da sogra com o filhão, descendente de italianos. Casa cheia, mesa farta, melodrama e performances, muitas performances. Suportou até o casamento. Data marcada, vestido provado, tudo estava nos conformes até que Renata estranhou que não estava recebendo os presentes da lista e ligou para a loja. Qual não foi sua surpresa quando soube que a megera tinha trocado o endereço de entrega para a casa dela?

Renata bateu na porta do noivo e pegou a sogra pelo pescoço. Diante da cena digna de comédia, foi controlada pelo futuro marido. O sogro assistia e incentivava a nora: "Ela merece! Ela merece!". A noiva descobriu ainda que a Nona abriu os presentes. O casamento aconteceu assim mesmo, porque Renata deu sorte de o noivo concordar o quão absurda foi a atitude da mãe. Mas ela precisa encarar a macarronada de domingo até que a morte ou o juiz os separe. (É isso que eu discordo com as sogras, porque temos que ir determinado dia jantar na casa delas??Não somos obrigadas a isso!!! Mas parece que para os maridões somos e ai de nós se não formos, caracas!!!)

Ter o apoio do parceiro é uma sorte que nem todas têm. Algumas vezes, mãe e filho formam uma dupla de algozes, ela dramatizando e ele caindo na chantagem emocional. Se você deu o azar duplo de ter uma sogra insuportável e um namorado com pouca atitude, fuja enquanto é tempo. Isso não tem conserto e nunca vai mudar. Interiorize: você veio depois e, não, as pessoas não mudam. Se ele não assume, aos 30 anos, que a mãe é um estorvo, você acha que vai repensar mais adiante???

Patrícia* pagou o preço de tentar mudar o parceiro. Lembra como se fosse hoje quando a sogrinha disse, em plena mesa de jantar, que o jornal noticiou a invenção de uma máquina para medir amor verdadeiro. Assim não cometeria o engano de escolher alguém errado para se casar. Isso minutos depois de o filho ter anunciado seu casamento com Patrícia, que rangeu os dentes, mas ficou calada. Cutucadas como essas, indiretas e constantes, consumiram as emoções de Patrícia até a data da festa. O que ela não imaginava é que seria pior, muito pior...

Fonte de pesquisa: Msn/Lulucha

Nenhum comentário: