segunda-feira, abril 26

Você Sabe Quando Está Carente???

Você sabe como trabalhar esse sentimento que chega sem bater na sua porta?
Quando ela chega, não dá para ignorar. Vem com vontade e requisita toda a atenção. Não tem hora marcada, dia apropriado, nem faz distinção: solteira ou casada, magra ou gorda, alta ou baixa, rica ou pobre. Simplesmente aparece sem ser convidada. E o pior: exige tratamento VIP, com direito a compras desnecessárias, bebidas e chocolates. O nome da visita? Carência. Um sentimento que traz uma sensação intensa de vazio. Como lidar com ela?

Medo da solidão

Este sentimento está relacionado ao medo da solidão. Muitas pessoas precisam do outro para estarem bem, isso é, até normal passar por momentos de fragilidade na vida, tanto na infância, quando a criança precisa dos cuidados da mãe, como também na fase adulta. O fato é que não podemos precisar do outro com tanta freqüência. É impossível que alguém preencha nossa carência 100% do tempo. É necessário que se aprenda a viver a vida de uma maneira solitária. Nós não nascemos e morreremos sós??? Confesso que apesar de eu me dar muito bem comigo mesma, adoro ficar só, escrever, fazer o que eu quero sem dar satisfações a ninguém, mas tenho medo de uma única coisa: morrer só. Sim, porque hoje tenho meu namorado, meu irmão, minha cunhada, primos, mas e amanhã??? Apesar de que podemos estar rodeados de pessoas e nos sentirmos mais sós do que estando só. Portanto isto é muito relativo.

A cultura, de certa forma, nos solicita estarmos com alguém. A mulher que não se casa ou namora depois dos 30, por exemplo, fica pra 'titia' na visão da sociedade. E a cobrança é muito grande.
É ruim admitir que precisamos do outro para ser feliz ou que temos medo da solidão. Pode ser, para alguns, sinônimo de fraqueza. É verdade até uns anos atrás quando eu ainda era imatura, se alguém me perguntasse se eu era carente, quase que pulava no pescoço da pessoa, eu não admitia que alguém pensasse que eu poderia estar carente. Pode ser até que ainda hoje eu seja carente em algumas coisas, mas já superei muito esse preconceito.

Desamor

Esse alguém do qual "se precisa" não vai estar apenas nos relacionamentos amorosos. Pode estar também nas amizades, na família etc. A carência remete à falta de amor - sentimento que pode ser encontrado e cultivado em vários tipos de relações. Não quer dizer que a pessoa não receba amor. Trata-se de uma avaliação pessoal, que pode não ser real.
Ao estar carente a pessoa quer ser amada não só no presente, mas por tudo que já faltou para ela no passado. Ou seja, a carência de cada um depende da história de vida que carrega. Pode ser leve e ser curada com um colo e cafuné. Ou não. Pode perdurar e sair do controle.
O sentimento de desamor ou falta de atenção do outro torna-se um problema quando não se consegue suprir a necessidade individual idealizada. De acordo com Luiz Alberto Py, quando não se consegue administrar a situação, de duas uma: ou começa a cobrar manifestações de amor ou canaliza isso para outro lugar. Ou seja: compra muito, come demais, fuma, bebe, faz coisas que aliviam o sentimento ruim. Mas não o resolvem. Geralmente, cria-se mais problemas agindo desssa maneira.

"Eu não fazia compras de 500 reais de uma vez, mas sempre ia ao shopping, ao cinema, à praça de alimentação. Pelo menos, tinha movimento", conta a jornalista Fernanda Martins que foi para Campinas (SP) estudar Lingüística. Acabou estudando e conhecendo melhor a si mesma, e superando a carência que sentia há dois anos. "Eu me sentia largada, sem referência, o que piorou quando eu e meu namorado terminamos. Descobri que eu era carente mesmo com ele", diz.

A jornalista afirma que, muitas vezes, conversava com as pessoas em busca de ajuda e carinho, mas acabava as afastando porque agia com agressividade. "A gente idealiza muito o cuidado que queremos ter dos outros, a atenção que queremos das coisas e do mundo. Toma atitudes esperando recompensas para aliviar esse sentimento. E elas nem sempre vêm!", explica.

A volta por cima
Depois do tempo em São Paulo, Fernanda diz que percebeu que a carência não iria ser preenchida por alguém, mas por ela mesma, deixando de se cobrar tanto. "Quando queremos muito namorar alguém, por exemplo, fazemos de tudo para prender essa pessoa para não sentir mais um fracasso pessoal. Só que não é dessa forma que a coisa funciona", ressalta. Conclusão a que chegou com o auxílio de uma terapia.

É preciso se sentir bem quando se está só, caso contrário você sempre dependerá de alguém ao seu lado.É o preciso gostar-se para passar o tempo sózinha. Na minha vida por exemplo, não há tempo de sentir solidão, eu saio muito, ando muito, faço todas as minhas coisas a pé, não tenho e nem quero mais ter um carro, São Paulo está estressante demais para sair de carro. É preciso sentir paz quando se está só, meu namorado por ex., trabalha em uma firma que exige que ele passe um mes ou dois nas filiais do exterior, então quase sempre estou só, mas não pensem que eu fico só, tenho meus filhotes (passarinhos =11) que eu tenho que cuidar, tenho dois blogs para tocar em frente, escrevo muito, pesquiso muito, leio muito, e assim preencho o meu tempo tão rápido que quase nunca dá pra fazer tudo o que eu tenho em mente.

Se você não ficar pensando em bobagens, nunca se sentirá só. Se você não tem um blog, faça um; se não gosta de blog,  pinte um quadro; se não gosta de pintar, ande; compre uma bicicleta e saia de bike. Vá ao supermercado, pois sempre temos umas coisinhas para comprar; passe numa locadora alugue uns filmes bem legais, faça uma travessa enorme de pipoca e coma; agora se nada disso funcionar, vá para cozinha e invente um prato bem criativo e voilà!!!      (MSN) e...




Lulucha

Nenhum comentário: