terça-feira, março 24

Computação em Nuvem - Você sabe o que é?

Vamos dizer que você é um executivo de uma grande empresa. Suas responsabilidades incluem assegurar que todos os seus empregados tenham o software e o hardware de que precisam para fazer seu trabalho. Comprar computadores para todos não é suficiente - você também tem de comprar software ou licenças de software para dar aos empregados as ferramentas que eles exigem. Sempre que você tem um novo contratado, você tem de comprar mais software ou assegurar que sua atual licença de software permita outro usuário. Isso é tão estressante que você tem dificuldade para dormir todas as noites.

Breve, deve haver uma alternativa para executivos como você. Em vez de instalar uma suíte de aplicativos em cada computador, você só teria de carregar uma aplicação. Essa aplicação permitiria aos trabalhadores logar-se em um serviço baseado na web que hospeda todos os programas de que o usuário precisa para seu trabalho. Máquinas remotas de outra empresa rodariam tudo - de e-mail a processador de textos e a complexos programas de análise de dados. Isso é chamado computação em nuvem e poderia mudar toda a indústria de computadores.

Uma idéia não tão nova Embora a computação em nuvem seja um campo emergente da ciência da computação, a idéia está por aí há anos. É chamada de computação em nuvem porque os dados e as aplicações existem em uma nuvem de servidores web.

Em um sistema de computação em nuvem, há uma redução significativa da carga de trabalho. Computadores locais não têm mais de fazer todo o trabalho pesado quando se trata de rodar aplicações. Em vez disso, a rede de computadores que faz as vezes de nuvem lida com elas. A demanda por hardware e software no lado do usuário cai. A única coisa que o usuário do computador precisa é ser capaz de rodar o software da interface do sistema da computação em nuvem, que pode ser tão simples quanto um navegador web, e a rede da nuvem cuida do resto.

Há uma boa chance de você já ter usado alguma forma de computação em nuvem. Se você tem um conta de e-mail com um serviço baseado na web, como Hotmail, Yahoo! ou Gmail, então você já teve experiência com computação em nuvem. Em vez de rodar um programa de e-mail no seu computador, você se loga numa conta de e-mail remotamente pela web. O software e o armazenamento da sua conta não existem no seu computador - estão na nuvem de computadores do serviço.

Quando falamos sobre um sistema de computação em nuvem, é de grande ajuda dividi-lo em duas seções: o front end e o back end. Eles se conectam através de uma rede, geralmente a Internet. O front end é o lado que o usuário do computador, ou cliente, vê. O back end é a seção "nuvem" do sistema. O front end inclui o computador do cliente (ou rede de computadores) e a aplicação necessária para acessar o sistema de computação em nuvem. Nem todos os sistemas de computação em nuvem tem a mesma interface para o usuário. Serviços baseados na Web, como programas de e-mail, aproveitam navegadores de internet já existentes, como o Internet Explorer e o Firefox. Outros sistemas têm aplicações próprias que fornecem acesso à rede aos clientes.

Você está virtualmente servido Na maior parte do tempo, servidores não rodam em plena capacidade. Isso significa que há um poder de processamento sem uso indo para o lixo. É possível enganar um servidor físico, fazendo-o pensar que ele é múltiplos servidores, cada um rodando com seu próprio sistema operacional. A técnica é chamada de virtualização de servidor. Ao maximizar a saída de servidores individuais, a virtualização de servidor reduz a necessidade de máquinas físicas.

No back end do sistema estão vários computadores, servidores e sistemas de armazenamento de dados que criam a "nuvem" de serviços de computação. Na teoria, um sistema de computação em nuvem inclui praticamente qualquer programa de computador que você possa imaginar, do processamento de dados aos videogames. Cada aplicação tem seu próprio servidor dedicado. Um servidor central administra o sistema, monitorando o tráfego e as demandas do cliente para assegurar que tudo funcione tranquilamente. Ele segue um conjunto de regras chamadas protocolos e usa um tipo especial de software chamado middleware. O middleware permite que computadores em rede se comuniquem uns com os outros.

Se uma empresa de computação em nuvem tem muitos clientes, é provável que haja uma alta demanda por muito espaço de armazenamento. Algumas companhias requerem centenas de dispositivos de armazenamento digitais. Sistemas de computação em nuvem precisam de pelo menos o dobro do número de dispositivos de armazenamento exigidos para manter todas as informações dos clientes armazenadas. Isso porque esses dispositivos, assim como todos os computadores, ocasionalmente saem do ar. Um sistema de computação em nuvem deve fazer uma cópia de toda a informação dos clientes e a armazenar em outros dispositivos. As cópias habilitam o servidor central a acessar máquinas de backup para reter os dados que, de outra forma, poderiam ficar inacessáveis. Fazer cópias de dados como um backup é chamado redundância.

Grades, nuvens e utilidades A computação em nuvem está intimamente relacionada com a computação em grade e com a computação sob demanda. No sistema de computação em grade, computadores da rede são capazes de acessar e usar os recursos de qualquer computador da rede. No sistema de computação em nuvem, isso apenas se aplica ao back end. Computação sob demanda (utility computing) é um modelo de negócios em que uma empresa paga à outra para acessar as aplicações do computador ou o armazenamento de dados.

Talvez as maiores preocupações sobre a computação em nuvem sejam segurança e privacidade. A idéia de entregar dados importantes para outra empresa preocupa algumas pessoas. Executivos corporativos podem hesitar em tirar vantagem do sistema de computação em nuvem porque eles não podem manter a informação de sua companhia guardadas a sete chaves. Privacidade. Se um cliente pode logar-se de qualquer local para acessar aplicações, é possível que a privacidade do cliente esteja comprometida. Empresas de computação em nuvem vão precisar encontrar formas de proteger a privacidade do cliente. Uma delas seria usar técnicas de autenticação, como usuário e senha. Outra forma é empregar um formato de autorização (níveis de permissionamento) - cada usuário acessa apenas os dados e as aplicações que são relevantes para o seu trabalho.

Olhos privados estão te vigiando Há alguns truques de hackers que poderiam causar grande dor-de-cabeça nas empresas de computação em nuvem. Um deles é chamado key logging. Um programa de key logging grava as teclas que foram apertadas. Se um hacker conseguir caregar um programa de key logging no computador da vítima, poderá estudar as teclas apertadas para descobrir nomes e senhas. Claro que, se o computador do usuário for apenas um terminal simplificado, seria impossível instalar o programa em primeiro lugar.

Algumas questões a cerca da computação em nuvem são mais filosóficas. O usuário ou a empresa que contrata o serviços de computação em nuvem é dono dos dados? O sistema de computação em nuvem, que fornece o espaço de armazenamento, é o dono? É possível para uma empresa de computação em nuvem negar a um cliente o acesso a esses dados? Várias companhias, empresas de advocacia e universidades estão debatendo essas e outras questões sobre a natureza da computação em nuvem.

Como a computação em nuvem vai afetar outras indústrias? Há uma preocupação crescente na indústria de TI sobre como a computação em nuvem poderia afetar os negócios de manutenção e reparo de computadores. Se as empresas trocarem para sistemas de computadores simplificados, elas terão poucas necessidades de TI. Alguns experts da indústria acreditam que a necessidade por empregos de TI vá migrar de volta para o back end do sistema de computação em nuvem.

Sistemas de computação autônoma Outra área de pesquisa na comunidade de ciência da computação é a computação autônoma. Um sistema de computação autônoma é auto-gerenciável, o que significa que ele monitora a si mesmo e toma medidas para prever e reparar problemas. Atualmente, a computação autônoma é mais teoria. Mas se ela se tornar realidade, poderia elminar a necessade de muitos empregos de manutenção de TI. Fonte de pesquisa: HSW

Um comentário:

exoticlic disse...

quanto mais eu aprendo sobre web, software e hardware mais complicado fica kkkkkkkkkkkk