sexta-feira, março 6

Watchmen - A Obra Prima Das Estórias Em Quadrinhos

Tempos sombrios os anos 80. A ameaça de um holocausto nuclear pairava sobre o mundo. Richard Nixon continuava desde a década de 70 a ser presidente dos Estados Unidos, pois o país sob seu comando foi vitorioso na Guerra do Vietnã. As pessoas não podiam mais contar com os vigilantes mascarados, heróis proibidos de agir como antigamente e que estavam sendo misteriosamente eliminados

  • Além disso, não havia mais gibis de super-heróis, que foram substituídos por quadrinhos sobre piratas. É nessa atmosfera que se desenvolve “Watchmen”, a obra-prima dos quadrinhos criada e escrita por Alan Moore e desenhada por Dave Gibbons. Lançado em 1986, “Watchmen” conquistou imediatamente o reconhecimento do público e da crítica. Não era para menos.

Alan Moore criou uma trama e personagens que equivalem às melhores obras literárias de todos os tempos, ilustrada por desenhos de Dave Gibbons que incorporaram vários elementos da linguagem cinematográfica. “Watchmen” foi um divisor de águas na história dos quadrinhos, assim como “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, de Frank Miller, lançado no mesmo ano. Os méritos da obra de Alan Moore a fizeram ser incluída na lista dos cem melhores romances de língua inglesa da revista norte-americana Time.

A densidade das questões éticas e filosóficas colocadas na trama e a complexidade psicológica dos personagens são a essência de uma narrativa que mistura mistério policial, ficção científica, filosofia, geopolítica e teoria do caos. Com exceção do Dr. Manhattan, um super ser com super poderes, os “watchmen” formam um grupo sem poderes especiais, a não ser a vontade de atuarem como justiceiros acima da lei. No centro da história estão, principalmente, o simbolismo desse super-homem que é o Dr. Manhattan e as conseqüências que a sua existência traz para a humanidade, a violência, integridade e psicopatia do vigilante renegado Rorschach e a impressionante inteligência e lógica de Ozymandias.Descubra nas páginas a seguir mais detalhes sobre “Watchmen” e entenda porque ela se tornou numa das mais importantes graphic novels de todos os tempos.

Em 12 de outubro de 1985, Edward Morgan Blake foi assassinado em Nova York. Seria mais um crime na rotina violenta da grande cidade, não fosse o fato de Blake ser o Comediante, um vigilante que vinha trabalhando para o governo desde 1977. Naquele ano, o Decreto Keene proibiu os "watchmen" de atuarem livremente como vinha acontecendo há décadas. A partir de então eles só poderiam trabalhar sob o controle do governo. Opção que apenas dois vigilantes aceitaram. A maioria preferiu se aposentar, enquanto um deles, Rorschach, continuou a atuar ilegalmente fazendo justiça com as próprias mãos. Rorschach vive dentro de rigorosas regras morais criadaspor ele mesmo e é o mais íntegro dos Watchmen

Psicótico, paranóico e violento, Rorschach decide investigar a morte do Comediante. Desconfiado de que ela faz parte de um plano para eliminar os heróis mascarados, ele começa a visitar seus ex-companheiros e avisá-los do perigo. Entre eles está o físico Jon Osterman, outro dos "watchmen" que permaneceu na ativa legalmente, trabalhando para as autoridades federais.

Conhecido como Dr. Manhattan desde que se transformou em um super ser indestrutível e onipresente, ele é uma espécie de deus, que consegue controlar as propriedades atômicas do mundo físico. Fruto de um acidente enquanto trabalhava em um laboratório, Dr. Manhattan tornou possível a vitória dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã. Mas a existência desse super-homem ao lado dos americanos em tempos de Guerra Fria faz a tensão com os soviéticos ser crescente.

O ataque aos vigilantes não vem apenas com a morte do Comediante. O poder atômico de Dr. Manhattan teria passado a ser uma ameaça a várias pessoas ao seu redor. A imprensa o acusa de ter provocado câncer naqueles que conviveram próximo a ele. Em crise, ele deixa o planeta para refugiar-se em Marte. Com isso o fator que fazia a Guerra Fria pender para o lado americano deixa de existir. A partida de Dr. Manhattan leva imediatamente os russos a invadirem o Afeganistão. A ameaça de uma Terceira Guerra Mundial, e de um conseqüente holocausto nuclear, aumenta assustadoramente.

Reunião dos Minutemen no final dos anos 30 A história dos vigilantes começa no final dos anos 30, logo após a publicação das primeiras histórias dos super-heróis em gibis, como o Super-Homem. Cidadãos comuns decidem se fantasiar e agir no combate ao crime nas ruas de Nova York. Com concepções bem simples sobre o Bem e o Mal, começam a surgir heróis mascarados como o Justiceiro Encapuzado (Hooded Justice), Coruja (Nite Owl), Silhueta (The Silhouette), Espectro de Seda (Silk Spectre), Comediante (The Comedian), Capitão Metrópolis, Dollar Bill e Mothman. Esses heróis acabaram se reunindo para formar o primeiro grupo de super-heróis, os Minutemen.

Mas eles não eram super-heróis como os da ficção, eram seres humanos com todos os problemas que isso representa. A união no combate ao crime não resistiu às suas loucuras, paranóias, colapsos emocionais, violência. Uma década depois, os Minutemen deixaram de existir como um grupo. O mundo já era outro, os valores que eles defendiam não estavam entre os mais apreciados pelos jovens e eles haviam virado motivo de piadas e investigações. Mas alguns deles continuaram a agir, como o Comediante com seus trabalhos ao lado do governo americano em guerras pelo mundo e em golpes nas repúblicas sul-americanas.

Na saga de “Watchmen” criada por Alan Moore uma trama surpreendente define o futuro da espécie humana nos anos 80. Ele nos mostra os vigilantes, sejam deuses como Dr. Manhattan, paranóicos como Rorschach ou radicalmente lógicos como Ozymandias, como uma representação da jornada humana e do mundo insano ao qual ela teria nos levado. Nessa sombria e complexa visão da realidade, construída a partir de uma infinidade de simbolismos por Moore, os vigilantes não são a salvação.

Já que os "watchmen", que são justiceiros acima da lei e têm um deus entre eles, têm falhado por serem essencialmente humanos, será que algo ou alguém deveria conduzir ou controlar suas ações? A resposta mais racional seria que sim. Mas, quem? Quem, afinal, poderia vigiar os vigilantes?

Em 12 de outubro de 1985, Edward Morgan Blake foi assassinado em Nova York. Seria mais um crime na rotina violenta da grande cidade, não fosse o fato de Blake ser o Comediante, um vigilante que vinha trabalhando para o governo desde 1977. Naquele ano, o Decreto Keene proibiu os "watchmen" de atuarem livremente como vinha acontecendo há décadas. A partir de então eles só poderiam trabalhar sob o controle do governo. Opção que apenas dois vigilantes aceitaram. A maioria preferiu se aposentar, enquanto um deles, Rorschach, continuou a atuar ilegalmente fazendo justiça com as próprias mãos. Rorschach vive dentro de rigorosas regras morais criadaspor ele mesmo e é o mais íntegro dos Watchmen

Ozymandias: Adrian Veidt também faz parte da segunda geração dos vigilantes. Com uma inteligência excepcional, doou todo o dinheiro que ganhou aos 17 anos para mostrar que poderia alcançar o sucesso a partir do nada. Mestre em artes marcias e metafísica, passou um tempo de sua vida no Tibet. Ao refazer a trilha de Alexandre o Grande, teria tido uma visão do faraó Ramsés 2.º, o verdadeiro Ozymandias. Ao deixar de ser vigilante, antes do Decreto Keene de 1977, revelou sua verdadeira identidade. Desenvolveu um mirabolante plano para salvar o mundo.

Espectro de Seda: Sally Jupiter era a representante da Costa Oeste nos Minutemen. Para acobertar a homossexualidade do Justiceiro Encapuzado, fingiu ser sua glamourosa namorada. Apesar de ter casado com seu agente, ela na verdade manteve um relacionamento doentio com o Comediante. Versão heróica das pin-ups girls, ela largou a vida de vigilante ao dar a luz a sua filha no final dos anos 40.

Espectro de Seda 2: filha de Sally Jupiter, Laurel "Laurie" Jane Juspeczyk tornou-se uma vigilante por influência da mãe. Namorada de Dr. Manhattan e envolvida em vários de seus projetos, ela o deixou em 1985 e casou-se com Nite Owl 2. Apesar de liberal, moderna e humanitária, ela tem as habilidades necessárias para enfrentar as mais perigosas situações, pois foi preparada a vida inteira para ser uma vigilante. Fonte de Pesquisa; HSW

Nenhum comentário: